• Marcelo Pereira

Escalas parte 1

Atualizado: Jun 17


Vou começar aqui uma série de posts tentando trazer mais informações sobre este assunto, o que são modos gregos, o que significam estes nomes, qual a importância do estudo deles, curiosidades, etc.


O que são escalas?


De acordo com o músico e professor de guitarra e violão, Julio Herrlein: "as escalas são progressões de notas do ponto mais baixo até um ponto culminante, seguindo, ao retornar, a mesma frequência de notas e, portanto, contendo os mesmos intervalos. As escalas mais comuns são as escalas de 7 notas (como a escala de Dó maior, F maior, G menor harmônica, D menor melódica, etc.), a escala de 6 notas ( como a escala de tons inteiros e a escala de "blues") as escalas de 5 notas ( pentatônicas) e as escalas de 8 notas ( como as escalas diminutas, tom-semitom, semitom-tom e as chamadas Bebop scales)".


"Uma sequência ordenada de tons pela frequência vibratória de sons, (normalmente do som de frequência mais baixa para o de frequência mais alta), que consiste na manutenção de determinados intervalos entre as suas notas". (wikipedia)


"Entre outras coisas, os modos gregos receberam tal denominação ao representar um sistema musical herdado da Grécia e que foi usado durante a Idade Média, quando a afinação dos instrumentos era bem diferente do que conhecemos hoje em nosso atual sistema tonal. Entre essas diferenças, a principal era que as notas intermediárias, como dó sustenido, não possuíam a mesma altura do ré bemol dos dias de hoje - nesse caso, o dó sustenido era levemente mais alto, o que inviabilizava nos instrumentos de notas fixas (como o piano) a execução de duas músicas que tivessem tonalidades diferentes, como ré maior e ré bemol maior. A afinação não permitia que diferentes tonalidades fossem tocadas no mesmo instrumento, a não ser que este fosse afinado (!) novamente com a mudança de tonalidade." (Valmyr Tavares - Cover Guitarra 139 - Julho 2006)


As notas ENARMÔNICAS (notas com o mesmo som, mas com nomes diferentes como C# e Db por exemplo) e consequentemente o sistema tonal atual surgiram com o "tempero" da escala do piano.


O que é um instrumento TEMPERADO?


"Temperado significa que a altura das notas está definida. Exemplo: Na casa 3 da corda lá do baixo elétrico com trastes, você encontrará a nota dó, que estará sempre nesta respectiva casa e corda (na afinação padrão, é claro), não dependendo da sua habilidade para que soe afinada, o mesmo ocorrendo no piano. Em um instrumento sem trastes como o violino (ou um baixo fretless), o músico terá que achar a posição exata da nota para que esta afine." (Valmyr Tavares - Cover Guitarra 139 - Julho 2006)

Confuso?


Eu gosto de pensar (e explicar) as escalas de uma maneira mais simples.


A palavra "escala" está relacionada a idéia de medida. Logo, temos várias utilizações para escalas: escalas cartográficas, escalas logarítimicas, escalas estatísticas, etc.


Uma simples régua é um exemplo de uma escala.

Na música podemos "medir" a distância de uma nota até outra. Porém, a nossa unidade de "medida" não será nem metros, nem kilômetros, nem litros, nem kilogramas, etc.


"Medimos" música com TONS e SEMITONS.


Para que a "medida" funcione, precisamos ter uma nota que não saia do lugar, que seja uma constante, para que possamos através dela, medirmos a distância em relação às outras. Essa nota fixa, chamaremos de TÔNICA. (Curiosidade, em inglês essa nota chama-se "root", em português "raiz", o que reforça a idéia de uma nota fixa, enraizada, que a partir dela teremos "ramificações").


Simples não? Nossa viagem com as escalas começará na Grécia antiga, para entendermos afinal o que são esses tais "modos gregos" e quem foi que teve essa idéia de ficar "medindo" sons. Enquanto isso, quando for praticar as tuas escalas no baixo, imagine que isso começou a mais de 500 anos antes de Cristo! αντίο!!!!


#Escalas #ModosGregos

622 visualizações

MP

© 2014 Marcelo Pereira. Todos os direitos reservados. 

  • YouTube ícone social
  • Facebook Social Icon